Aonde foi parar minha criança?

with Nenhum comentário

criancas1Quanto mais observo as pessoas mais percebo a ausência de espontaneidade que a vida impõe no seu decorrer.

Até certa idade variável chamada adolescência, tendemos a estar nas tribos que nos aceite e a sermos como nossa tribo. Nos tempos modernos ainda percebo uma coragem maior a sermos o que desejamos ser, com o agravante que nem sempre conseguimos nos sustentar e por isso não temos liberdade total. Mais tarde, porém, muitos de nós identificamos que aquela não era nossa tribo! E nessa constatação não se sabe exatamente qual seria, até porque o tempo de tribo já passou. Fato que as tribos escolhidas na adolescência têm a ver com nossas escolhas do futuro e em um momento farão sentido.

O ponto principal desta escrita é o que deixamos de fazer ao longo de nossa vida por muitos motivos. Sejam culturais, familiares, posturais, profissionais ou mesmo escolhas e o que isso ao longo do tempo nos causa.  Lembremo-nos da expressão ‘eu era feliz e não sabia’. Ela expressa a real sensação desta perda de espontaneidade. Se observarmos nossas fotos ou filmagens de criança, vemos que fazíamos coisas e expressávamos sentimentos que hoje talvez já não faça sentido.  Mas se observarmos nossas crianças vemos que elas são a maior parte do tempo felizes e isso nos ensina que a espontaneidade é um dos ‘serotônicos’.  A dificuldade de nos apresentarmos diante de pessoas, de atuarmos, de cantarmos, falarmos sobre vários assuntos em público e sermos nós mesmo é real. Cada vez mais reprimimos nossa criança e vamos entristecendo.

Aprendendo sobre atuações de vida, papéis desempenhados e a missão do auxílio para sermos mais felizes junto a Moreno, o pai do Psicodrama, percebemos que a atuação é terapêutica, primeiro “treinada e roteirizada” e depois na atitude intencional, de improviso. Rir de si mesmo, de nossas limitações é libertador, entender que as pessoas nos amam por sermos quem somos e isso pode ser o motivo de desagradar também é real, então que assim seja e liberemos nossa espontaneidade!

Deixe uma resposta